Moveable Type

Post de escuta

Listening Post, criado por Ben Rubin e Mark Hansen, tornou-se uma lenda. Suas 231 exposições fluorescentes suspensas estão penduradas no Whitney Museum of American Art por quatro anos. Agora faz parte da coleção permanente do Museu de Ciência, londres e do Museu de Arte de San Jose, na Califórnia, e está em constante demanda por exposições ao redor do mundo. É composto por pequenos monitores que exibem cotações aleatórias encontradas em listserves na Internet. Estes são determinados por vários algoritmos: um seleciona declarações em primeira pessoa, outro seleciona as palavras mais usadas. Uma voz artificial lê aleatoriamente algumas das citações, acompanhadas de música.

Francis Dzikowski Fotografia — Tipo Móvel; Mark Hansen e Ben Rubin; 2007;...

Para o Tipo Moveable (Moveable Type), Rubin e Hansen usaram o tráfego dentro do prédio do New York Times (que encomendou a obra) como fonte de dados da obra. “A instalação retira seu conteúdo de três fontes: uma transmissão ao vivo do The New York Times, capturando texto e dados em quase tempo real à medida que as informações são publicadas; as atividades e comentários dos visitantes ao Site do The Times; e o arquivo completo do Times datando de 1851” [1]

O Tipo Moveable usa algumas das mesmas técnicas do Listening Post. Os algoritmos são projetados para selecionar citações com base em certas regras. Como visto no vídeo, uma característica é deixar todas as 560 telas fluorescentes exibirem letras para o editor (acompanhadas de sons de máquina de escrever). Outra é a aparição de citações do jornal daquele dia que começam com as palavras ‘eu’ e ‘Você’, colocando-as próximas umas das outras pelo contraste (ou não).

Para o Listening Post a ideia era visualizar a consciência coletiva, uma forma de escuta, fazer com que a Internet fosse vista e ouvida e deixando o espectador ser surgido nesse campo de força. Para o Tipo Moveable, a ideia é ver as notícias como visto pelo New York Times em um ambiente carregado em explosão. Pegar pedaços de notícias e exibi-los todos juntos, arrancados de seu contexto original e dando-lhes um novo contexto. Além disso, o processo e a energia que é anterior à publicação de um jornal estão agora em exibição. Com este último longa, Ben Rubin e Mark Hansen querem dar crédito a este trabalho duro.

Isso é realidade aumentada? É arqueologia midiática? É remediação?

Peter Weibel afirma que “a imagem se transformou em um mundo de eventos controlado pelo contexto, no qual o contexto pode constituir um sistema visual diferente, sequência sonora, máquina, observador humano, distância ou pressão…. o sistema em si é tão variável [as the image] que se comportará como um organismo vivo.” [2] Como Bill Viola disse, “pauzinhos podem ser um simples utensílio de comer ou uma arma, dependendo de quem os usa” [3].

Da mesma forma, Rubin e Hansen tentam dar ao seu conteúdo um novo contexto (sistema visual diferente e sequência sonora), transformando-o assim em um grande organismo vivo. Ele se comporta de forma muito aleatória e todos os dias tem seus momentos ocupados e seus momentos de silêncio. Seu comportamento está relacionado ao comportamento das pessoas e ao fluxo de informações nos espaços físicos e de informação do principal jornal dos EUA. O Tipo Moveable pode não ser tão legível quanto o The New York Times, mas fornece uma visão única sobre o site da produção do jornal de uma forma esteticamente estimulante.

Referências

[1] http://www.digitalsignageuniverse.com/technology5.html

[2] Weibel, Peter. “O Mundo como Interface – Para a Construção de Contexto Controlado
Event-Worlds “(1996) em Shanken, Edward. Arte e Mídia Eletrônica (Phaidon 2009): p. 224 – 227.

[3] Viola, Bill. “Haverá condomínios no ciberespaço?” em Shanken, Edward. Arte e Mídia Eletrônica (Phaidon 2009): p. 219

Post de escuta

Ben Rubin

Mark Hansen

 

Pular para a barra de ferramentas